30 de julho de 2017

4 elementos IV

Sou o ar, uma partícula.
Ao meu redor vejo e sinto as partículas minhas irmãs, as filhas do ar. Vogando, flutuante, vertiginosas, enfurecidas, ventosas... um furação ou uma brisa leve.
Juntas somos o ar.
Adenso-me e mergulho num mar profundo e negro. Vou até ao fundo onde nada mais há. Só água em muitas gotas, as minha irmãs de água.
Fundo-me e recebo outras gotas em mim transformo-me e ascendo, renovada.
E em água e vento alimento o espaço e tudo em redor. As árvores....
Chego nas árvores com as minhas irmãs e somos seiva, somos árvore. Somos este desígnio de ser vida. Sou árvore. Sou vida transmitida a quem se alimenta de nós.
E sou quem se alimenta. Um gamo. Somos sangue e músculo a correr nas montanhas. A gota de saliva que cai no chão.
Sou terra agora, somos terra. Pareço morta, mas sou vida fervilhante. Somos partículas lentas e densas, algumas pesadas.. Todas diferentes, juntas neste desígnio de ser alimento mineral. Densas e comprimididas as irmãs somos rocha, metal. Somos a matéria que incandesce pelo simples prazer da compressão imensa.
Em lava, rios de alegria melosa, cantamos canções de esmagamento e fundimo-nos. Transformamo-nos em outro elemento e mudamos a natureza de ser.
Libertamos partes de nós em explosões de luz e calor. Energia radiante onde as minhas irmãs e eu seguimos sendo metamorfose, experiência e continuidade.
As minhas irmãs e eu, somos um e tudo o que existe.

28 de julho de 2017

fazedor de luas

Como te chamas, fazedor de luas?
Como as teces tão levemente?
Quem és tu, fazedor de luas?
Tanto cuidado no teu ombro largo.
Delicado como o luar,
Alumias o meu céu

14 de julho de 2017

27 de junho de 2017

rilke

"Não é somente a inércia a culpada pela repetição dos relacionamentos humanos, caso a caso, indescritivelmente, de forma monótona e sem renovação. É a timidez diante de novas e imprevisíveis experiências, para as quais acreditamos não estar preparados. Portanto, somente alguém que está preparado para tudo, que não exclui nada, nem o mais enigmático, vivenciará a relação com o outro como algo vivo."

"Talvez, todos os dragões nas nossas vidas sejam princesas que estão apenas à espera de nos ver agir, apenas uma vez, com beleza e coragem. Talvez, tudo aquilo que nos assusta seja, na sua essência mais profunda, algo desamparado que quer o nosso amor."

Rilke

It doesn’t interest me what you do for a living. 
I want to know what you ache for – and if you dare to dream of meeting your heart’s longing. 
It doesn’t interest me how old you are. 
I want to know if you will risk looking like a fool – for love – for your dreams – for the adventure of being alive.

Oriah Mountain Dreamer

31 de maio de 2017

toco o céu e enraízo-me na terra
o corpo expande e o espírito acalma
respeito o todo com serenidade interior
coração claro e atitude humilde
livre de pensamentos, a mente voa no azul
regressa e pousa em mim
que bem supremo
entrego-me e relaxo

(8 Versos do Zhineng Qi Gong, Pang Ming)

18 de maio de 2017

montanha

há tempo que aqui não estava

sem saudade
volto para a caverna
no alto da montanha

é demasiado lá embaixo
tudo puxa por mim
até ao ponto da loucura
sinto demais
tudo é extremo

exausta e sem recursos
volto

mas a aqui a dor é ainda maior

17 de maio de 2017

nascem universos

coisas explodem em mim
serão a morte de super novas
ou novos universos que nascem?

desintegrada
explodida no vazio

preciso ser contida
num abraço continuo e presente
até ser vida de novo


16 de maio de 2017

eu te céu


Pode-se inventar verbos? Quero inventar um: Eu te céu, assim minhas asas se tornam enormes para te amar sem medidas.


supostamente de Frida Khalo

15 de maio de 2017

ya pihi irakema

Eu fui contaminado pelo teu ser - uma parte de ti vive e cresce em mim.

Tradução de: "ya pihi irakema" - "Eu te amo", índios Yanomami na Amazonia.

14 de maio de 2017

metade de mim



Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
pois metade de mim é o que eu grito
a outra metade é silêncio

Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
pois metade de mim é partida
a outra metade é saudade.
Quer as palavras que falo
não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
pois metade de mim é o que ouço
a outra metade é o que calo

Que a minha vontade de ir embora
se transforme na calma e paz que mereço
que a tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
a outra metade um vulcão

Que o medo da solidão se afaste
e o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso
que me lembro ter dado na infância
pois metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o seu silêncio me fale cada vez mais
pois metade de mim é abrigo
a outra metade é cansaço

Que a arte me aponte uma resposta
mesmo que ela mesma não saiba
e que ninguém a tente complicar
pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
pois metade de mim é platéia
a outra metade é canção.
Que a minha loucura seja perdoada
pois metade de mim é amor
e a outra metade também

Oswaldo Montenegro

13 de maio de 2017

árvore sem floresta


que ramos agrestes
tem esta árvore
que corta quem chega perto

que segredos ou força
tem que impede
criar uma floresta

um veneno frio
espalha-se no ar
invisível

mata a árvore
aos poucos



in "árvores de mim"

12 de maio de 2017

sem jogo

aqui estou
despida de jogo
toda a verdade

e não chega
nunca chega
ou é demais

11 de maio de 2017

voltam as águas

voltam as águas
uma maré cheia, larga
imóvel sobre as areias da praia

que faço agora?
imóvel a maré, a areia e eu
olhando tudo e afogando-me
de novo?

a perda. outra vez.

27 de março de 2017

roubado

não me roubes
tudo o que tirares 
não é verdadeiro

deixa o tempo
fazer crescer
a vontade de dar

17 de março de 2017

os teus lugares


moras em mim,
nos lugares que são apenas teus

na pele, as palavras
sussurradas, fortes e macias
nos ouvidos, as marcas
de dedos, em valsas lentas

no peito, a corrente
liga-me ao mar onde estás ancorado

12 de março de 2017

sem tempo

vou saber-te de cor
de olhos fechados
sigo as linhas dos dias
passados a vaguear sem tempo

3 de fevereiro de 2017

fico

de longe o meu olhar cruza o teu.
cresce em mim o rumor silencioso
de explosões em arcos de lava.
o olhar mantido, confiado.
deslumbrada, avanço
passo a passo, lento.
vou ao teu encontro
como quem segue o seu destino
e fico.

18 de janeiro de 2017

perto de ser

Pouco falta agora
uns ramos espalhados
umas pedras soltas
Aproximo-me do fim
A figura de metal negro
que vive dentro de mim
dissolve-se em águas quentes
que criam novas formas de cristal
e logo se derretem
Estou perto de ser eu

2 de janeiro de 2017

dentro da pele

Por fim, estás dentro de mim
guardado debaixo da pele
como o lugar certo para ficar
Ocupas o teu espaço
doce e intenso como o sabia
A maravilhosa admiração de te ter
tanta espera consumada

27 de dezembro de 2016

envoltos

Sinto-te
dentro de mim e à minha volta
estou
dentro de ti e envolvendo-te

num banho primordial e amniótico
como caracóis enrolados
fecundando-se mutuamente
yin e yang em nascimento e consumação

cada um renascendo em si e no outro
reconstruindo as partes em falta
num jogo de peças em encaixe perfeito

21 de dezembro de 2016

olhos

como se fossem luas sobre luas
e os oceanos do tempo parados
olho nos teus olhos, afinal tão iguais,
e mergulho

16 de dezembro de 2016

antes do tempo

Mergulho na profunda luz
dos teus olhos de sol do meio dia
Por eles me afundo até ao teu centro
A imensidão escura e estrelada
onde sou de novo antes do tempo
Por ti e em ti renasço
Contigo me reparo e construo

15 de dezembro de 2016

voltar a casa

Os pequenos milagres dos teu olhos
a fronte limpa
as cores das areias e do mar alto
e os lábios macios
aquela pequena depressão onde me entrego
à luz do sorriso
É como chegar a casa
depois de andar perdida

9 de dezembro de 2016

limos

Libertos dos limos e das redes
o meu eu e o teu eu
encontram-se
Corações síncronos
em harmonia a par
afinal tão iguais
Que paz

5 de dezembro de 2016

flanco

Pousa a mão no meu flanco
Com a lentidão dos minutos
e dedos leves
Percorre o espaço entre as rochas
e o meu pescoço
Explodem rugidos na nuca
num vislumbre fulvo e verde

27 de novembro de 2016

cavernas geladas

Altas cavernas geladas
atrás dos meus olhos
Fria toda essa água presa a mim
Mágoas antigas
teimam em ficar

Trago calor e derretem
em avalanches de lama e soluços
restos de vida

Por fim lavada e limpa
preparo verdes prados suspensos




26 de novembro de 2016

abraço

No espaço ínfimo
que sobra do abraço
entre ti e mim
Escorrego e caio
num abismo largo e sem fim
O abraço onde te perco

24 de novembro de 2016

noite e dia

"Olha para a noite como se o dia nela devesse morrer e para a manhã como se todas as coisas delas nascessem"


André Guide

22 de novembro de 2016

tempo

deixa-me amar-te
dá-me o tempo
lento, para cresceres
dentro de mim

ocupares o lugar
onde moras, e que ainda não sei.

21 de novembro de 2016

espaços vazios

quero-te um.
inteiro e completo.
igual a mim.
inteira.
profundamente
unidos nos espaços vazios,
onde apenas cabe o outro.

15 de outubro de 2016

olhos de sol

chegas de madrugada
olhos claros, no fulgor
do sol do meio dia

entrego as minhas manhãs
todas a ti, em planicies macias
que apenas se adivinham

pelas tardes,
nos teus olhos de sol do meio dia
me perco e me deixo tomar

inundas todos os lugares
da minha pele
com cheiro de mar e beijos

29 de setembro de 2016

dormem

dormem juntos
finalmente
a menina e o ouriço
enrolados numa bola
no casulo cor de laranja
quentes no corpo e na alma
um só coração

28 de setembro de 2016

a menina

a menina, 
encolhida no escuro
sombria na alma e no corpo,
mantinha-se alerta
rasgada de raiva 
e esgotada de tristeza,
a menina,
naquele canto,
sofria de amor

in "o tigre e outras marés"

25 de setembro de 2016

fogo líquido

arcos de fogo líquido
entrelaçados entre mim e ti
labaredas em fusão silenciosa

respirar

in "em terra"

23 de setembro de 2016

alma

olho para os teus olhos
de olhos fechados
e vejo dentro da alma
a cor da tua.
é rosa-encarnado-laranja
da cor da minha.

22 de setembro de 2016

16 de setembro de 2016

na lua do meu corpo

encontra-me na lua do teu corpo
na sede de te encontrar
em momentos infindos
na lua do meu

8 de setembro de 2016

fecha os olhos

fecha os olhos
sente
o respirar da pele
em nuvens de calor
e ondas perfumadas
fecha os olhos
e olha-me com os dedos

1 de setembro de 2016

cuida-me

chega de mansinho
e cuida-me
toca-me com o olhar
dedos leves
pele morna
cuida-me
e faço-te voar

31 de agosto de 2016

canas

uma mesa pequena, duas cadeiras. o lugar perfeito.
janela aberta para a brisa fresca de este, num dia quente de verão.
um café longo, um bolo delicado. a companhia das letras.
em frente, fora da janela, uma muralha de canas
fecha o horizonte numa mancha de verde.
aqui podia ser qualquer lugar do mundo.

in "momentos perfeitos"

27 de julho de 2016

livro cor de rosa

Tarde quente a lembrar outras tardes, em harmonia de cores internas.
A brisa morna leva as cortinas caramelo. O sofá, acolhedor e reconfortante como chocolate negro. O livro, tão cor de rosa como a sua capa enfeitada de bolachas, leva-me ao país encantado onde todos têm um final feliz, apesar dos precalços e dureza do caminho. É possível a leveza, é possível sonhar e atingir o extraordinário. Com a ajuda de gelado de nozes e limão.

in "momentos perfeitos"

22 de julho de 2016

baleia

Sou o ar e a vertigem imóvel
de ser.
Flutuo na imensidão que me contém
e sou contida
Dentro levo galáxias e tudo o que existe.
Sou. Apenas sou.

20 de julho de 2016

aqui

Aqui, deposta enfim a minha imagem,
Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem,
No interior das coisas canto nua.

Aqui livre sou eu — eco da lua
E dos jardins, os gestos recebidos
E o tumulto dos gestos pressentidos,
Aqui sou eu em tudo quanto amei.

Não por aquilo que só atravessei,
Não pelo meu rumor que só perdi,
Não pelos incertos actos que vivi,

Mas por tudo de quanto ressoei
E em cujo amor de amor me eternizei.

Sophia de Mello Breyner Andresen

19 de julho de 2016

solidão

Hoje deitei-me ao lado da minha solidão.
O seu corpo perfeito, linha a linha
derramava-se no meu, e eu sentia
nele o pulsar do meu próprio coração.

Moreno, era a forma das pedras e das luas.
Dentro de mim alguma coisa ardia:
o mistério das palavras maduras
ou a brancura de um amor que nos prendia.

Hoje deitei-me ao lado da minha solidão
e longamente bebi os horizontes.
E longamente fiquei até ouvir
o meu sangue jorrar na voz das fontes.

Eugénio de Andrade

15 de julho de 2016

caminho

O caminho vai longo.
E hoje cansado. Gasto.
Uma corrente ininterrupta de cair e levantar.
Colar as partes quebradas.
Amarrar os fios invisíveis da fé.
Convocar a coragem de voltar a ser.
Juntar os restos da força até ser uma vontade.
Pedaços espalhados de mim.
Sou, serei, inteira de novo.

in "caminhos das pedras"

14 de julho de 2016

basta

rasga-me a voz a garganta
o som sufocado,
preso no corpo, exausto
de tanto silêncio, gritar
num sussurro

basta

3 de julho de 2016

sem fé

não existes
uma nuvem fugidia
todos os esforços de te alcançar
terminam em dor
exausta, sem fé
tanta vontade gasta
em encontrar nada
perdida de novo

2 de julho de 2016

tortura

a tortura imparável 
da solidão
rói os ossos e a pele
a carne derrama-se 
em águas sem fim

in "o tigre e outras marés"

30 de junho de 2016

ar

inspiro e o ar não entra
expiro e o ar não sai

que faço agora?

já não tenho mais corpo
cortado de novo
sem respirar

29 de abril de 2016

ondas

um mundo de água por dentro

uma fina capa apenas mantém a forma
onde crescem peixes do ar e unicórnios de flores

balança numa ginga ritmada
ao som das voltas em torno do sol

balança a água
ondas sobem e baixam

balançam os peixes e os unicórnios
as flores, as ondas sobem e baixam

sobe uma onda, quebra a fina capa
a água espalha-se pelo vazio

espaço ocupado agora



no "mundo d'água"

14 de abril de 2016

gota a gota

gotas rosa e laranja
caem sobre a minha pele
devagar dissolvem a fina capa
e espalham-se por todos os recantos
em ondas de amor e cheiro de canela


no "mundo d'água"

13 de abril de 2016

31 de março de 2016

30 de março de 2016

28 de março de 2016

mãos

pelas tuas mãos passa a minha pele

e por elas,
não sei o que fazer das minhas



in "terra em mim"

23 de março de 2016

terra

paro o vento, o fogo, as marés
afundo

fundo-me na terra

apenas sinto



in "terra em mim"

22 de março de 2016

toque

tempo suspenso
um toque que mal toca
na intensidade e
respiração profunda
transmutação da pele

in "terra em mim"

8 de março de 2016

rotina

Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade

1 de março de 2016

Lembra-me um sonho lindo

Lembra-me um sonho lindo, quase acabado
Lembra-me um céu aberto, outro fechado
Estala-me a veia em sangue, estrangulada
Estoira no peito um grito, à desfilada

Canta, rouxinol, canta, não me dês penas
Cresce, girassol, cresce entre açucenas
Afaga-me o corpo todo, se te pertenço
Rasga-me o ventre ardendo em fumo de incenso

Lembra-me um sonho lindo, quase acabado
Lembra-me um céu aberto, outro fechado
Estala-me a veia em sangue, estrangulada
Estoira no peito um grito, à desfilada

Ai! Como eu te quero! Ai! De madrugada!
Ai! Alma da terra! Ai! Linda, assim deitada!
Ai! Como eu te amo! Ai! Tão sossegada!
Ai! Beijo-te o corpo! Ai! Seara tão desejada!

Fausto Bordalo Dias, letra "Lembra-me um sonho lindo" in "Por este Rio Acima"

18 de fevereiro de 2016

o que há em mim é sobretudo cansaço


O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimno, íssimo, íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

15 de fevereiro de 2016

nada


nada
vazio

absolutamente nada




até o vazio entre galáxias está pleno de ligações





in "caminho das pedras"

13 de fevereiro de 2016

verde esmeralda



Vento vagabundo
Rumores de folhas e águas correntes,
aroma de chuva e terra
Raízes profundas
entrelaçadas em mim
atentas, pulsantes.
Verde esmeralda,
húmido, suave e quente
Que me leva.

in "caminhos do vento"

10 de fevereiro de 2016

vem sentar-te comigo

d'aprés kenglye


vem sentar-te comigo, querido
à beira rio
sentir
a água passar debaixo dos pés
o calor do sol nos tornozelos
vem sentar-te comigo, querido
a ver os peixes preguiçarem.
sons de sapos e ovelhas
o dia que não termina e, contudo, se move.

in “caminhos do vento”

9 de fevereiro de 2016

sossego

o sossego não me larga
esta paz nos pés
larga na cintura
balouçar na rede da tarde
a brisa morna no cabelo
leves ondulações na pele
quieta, deixo o tempo
que não passa, nem fica

mão em mão

in “caminhos do vento”

8 de fevereiro de 2016

lua nova



Quando a lua nova chega
Posso enfim descansar
Largar as agruras das outras luas
Deitar-me no prado dos teus olhos
E dormir no ninho de penas suaves
Que construíste para mim

in "caminhos do vento"

5 de fevereiro de 2016

perigo

o que és?
esta paz nas ancas,
no ar do peito.
o que me fazes?
sei do perigo e não
o sinto,
só quietude.

in “caminhos do vento”

14 de novembro de 2015

sombra na luz

a sombra manchada de luz
a luz enfeitada de sombra
a perfeição do imperfeito
a beleza do sombrio

in "árvores de mim"

8 de novembro de 2015

fogueira de mim

Vem sentar-te à sombra da minha fogueira.
Sentir o fresco da noite das costas
e o calor de mim por todo o corpo

in "árvores de mim"

6 de novembro de 2015

flores dos cactos

A floresta rumoreja
em espasmos crescentes
Cresce e floresce
perante os meus olhos
como as flores dos cactos
Numa noite
nasce e morre, feliz.

in "árvores de mim"

10 de outubro de 2015

aspiração

Rios soltam risos e gorjeios
Correm velozes nas veias
da floresta
As árvores solenes
entretêm-se com a agitação
e aspiram a também ser rio

in "árvores de mim"

4 de outubro de 2015

histórias

As árvores sussurram
fantasias
Histórias inventadas
de princesas há muito mortas
Quem dera ser uma história
contada por mim
em alegres jograis

in "árvores de mim"

14 de setembro de 2015

dois

e se eu for outro?
serás tu?
estarás comigo
sendo mudado?
esta fluidez de ser
ou deixar de ser
a dança de equilíbrio
e transformação
de dois

in "caminhos do vento"

1 de setembro de 2015

terra

Serei terra a ser arada
Alimento para prados
árvores e melros
Sentir a abundância
rica de abelhas e caracóis
a crescer de mim e em mim
Quero ser este meio
fecundo exuberante
Um borbulhar de vida
Ininterrupta constante
prazerosa

in “árvores de mim”

14 de agosto de 2015

ser árvore

Árvore poderosa de mim
ligada ao fundo da terra
e a toda a floresta
por raízes fortes e intensas
Em ti, corre o alimento rico
trazido das profundezas
e criado do sol
Alquimia fluida
Rios de seiva percorrem
todo este corpo
ininterruptamente
Abraçam o vento, o sol
as tempestades geladas
Fluindo sempre
Sendo sempre árvore
Essa decisão não decidida
Simplesmente aceite

in “árvores de mim”

17 de julho de 2015

lago

Lagos serenos reflectem a lua
Uma brisa leve eriça as costas da água
em pequenos risos
Esta paz de estar aqui, neste lago
Eu e a lua, o silêncio cheio de som

in “árvores de mim”

16 de julho de 2015

metal

O denso metal
Incandesce
E transforma-se
Derretido se espraia
Nos espaços vazios
Quente e meloso
Em risos se fica

in “árvores de mim”

12 de julho de 2015

quietude

A quietude da serenidade
sem esplendores de fogo
A tranquilidade das árvores
ligadas ao chão e ao céu
Riachos de seiva
percorrem estes corpos
inexoravelmente crescentes
com aparente lentidão
O propósito de ser
determinado e aceite

in “árvores de mim”

19 de junho de 2015

casulo

quando me rasgarei por fim?
libertar-me deste casulo que me sufoca
quando deixarei de aguardar o mudar dos tempos
e dos terrores secretos.
nascer de novo transformada
esta impaciência por fim calma

in “memórias das pedras”

16 de junho de 2015

passado

o tempo passa inexorável
as marcas ficam em mim
cicatrizes que não aceito
o passado que não parece passar
de tão presente é

in “caminho das pedras”

14 de junho de 2015

caminho das pedras


Volto de novo
aos velhos caminhos
As pedras
Anseio pela areia macia e quente
um trilho verdejante
um prado
Não estas pedras,
aguçadas
Rasgam os pés e o ânimo

in "caminho das pedras"

13 de junho de 2015

sem rumo


ventos me trazem
ventos me levam
ao sabor destas correntes
estranhas
parece vida sem rumo
será que existe um fim
será que é esse o caminho
o que vejo à minha volta
rodopiando nestes ventos
contraditórios

in “memórias das pedras”

11 de junho de 2015

oceano


De tanto dizer
já nada sobra
Um vazio
que parece paz
instala-se
Não é pacífico
este oceano
Dormente
contido. Irá
transbordar de novo
Enraivecido

in “memórias das pedras”

8 de junho de 2015

longe

Onde vão estas águas atrás dos meus olhos
Como saem de mim
Lavadas
Onde vão estes ventos inquietos e frios
Para longe de mim
Desterrados

in “memórias das pedras”

28 de maio de 2015

ouriço

O meu pequeno ouriço
Eriçado, bola de picos
Partiu todos os espinhos
Agora, nu, dorme em paz
Num casulo laranja
Quente por fim

in "árvores de mim"

18 de maio de 2015

reserva

sem palavras me deixo ficar
apenas sinto 
a minha reserva
em relação ao mundo.
separada
qual o meu lugar?
quem me encontrará
neste local distante e ermo?

in "caminho das pedras"

14 de maio de 2015

caminho das pedras


Tantos caminhos de pedras percorri
e eis-me de volta à caverna.
Nómada neste país de imóveis castelos
que me negam a entrada.
Onde irei morar?
Qual é o vento que me vai levar
ao destino de ser casa?

in "caminho das pedras"

10 de maio de 2015

quebrados

Triste por ti
Por mim
Pela vida que te parece cortada
Pelo imenso esforço
a corrigir os défices
Esforço inglório
permanente
a lutar contra joelhos quebrados
e mais...
Esta perda da tua vida
Como te vai ser difícil
construir e lutar ao mesmo tempo
No final, talvez a tristeza seja só minha
E consigas tu
ser e seguir

in "caminhos das pedras"

6 de maio de 2015

amarras

Como seguir o meu vento
Se estou presa ao chão?
Cordas invisíveis, inexistentes,
Fortes como amarras
Seguram toda esta vontade
Como solto as velas?
Tenho de naufragar todos os barcos
Para poder voar.

in "caminho das pedras"

1 de maio de 2015

pele de água

Uma pele de água
pesada e interna
desmancha-se e cai
como um trapo velho
Ali fica a inundar os tornozelos
Uma enchente que não
para nem escorre
Continua a subir
até me afogar
em lodo e barcos vazios

in "caminho das pedras"

20 de abril de 2015

tingida de ti

a tua cor tintada em mim
tingida dentro da pele
sou tão estranha sem esta cor
marcada de ti
a verdade é que me faltas
e todas as desculpas justificadas
não me servem
sapatos velhos e gastos
toalhas molhadas no chão
uma voz dentro de mim diz
que me faltas
no ar

in "memórias do fogo"

15 de abril de 2015

vem


Meu vento, minha árvore
aqui te espero
Vem depressa,
arrebatar-me
do fogo deste dragão
Meu vento, minha árvore
brisa no coração
Leva-me a ver os mares distantes
Seres de encanto
Envolvida em nuvens
E chamas

in "caminhos do vento"

14 de abril de 2015

grito

Um grito tenta romper
esta lama espessa
e não sai da boca
Peixes a sufocar
ao lado da água

in "caminhos das pedras"

1 de março de 2015

explodir

Prefiro dor intensa, a explodir
Pelo menos sinto, vivo
Em vez desta dor surda constante
Que me rouba, sem piedade, o sentido

in "o tigre e outras marés"

21 de fevereiro de 2015

compreendo os dias de cinza



Compreendo finalmente os dias de cinza.
Compreendo com outro sentir,
de fora, como embaixadora
numa terra deserta.
A missão de explorar o mundo e compreender
os modos dos outros.
Lamento os dias da cinza.
Lamento o quebrar dos ramos e o fogo devastador,
a impossibilidade de criar uma floresta a partir da secura.
Nem uma pequena árvore sequer, despida, com 3 folhas.

in "o tigre e outras marés"